Conheça 6 frameworks web para desenvolvedores


Sem dúvidas, em tempos atuais os frameworks se tornaram essenciais para o desenvolvimento de aplicações e soluções na internet, especificamente para a interface “web”, visto que os padrões de complexidade estão sempre aumentando consideravelmente, assim como toda a expertise necessária. Por conta disso, é completamente irracional reinventar a roda para tecnologias tão complexas, supondo que você possa reinventar tudo isso.

De forma bem simples, um aplicativo “web” tem um Back-End (do lado do servidor) e um Front-End (do lado do cliente). Por isso, nesse artigo especial vou apresentar a você os melhores frameworks de back-end, bem como os frameworks front-end do momento. Sinta-se à vontade para enviar sugestões nos comentários caso você conheça mais alguma framework interessante! 😉

Para Front-End

React: Um dos mais conhecidos, o React não é exatamente uma estrutura, mas sim uma biblioteca de Front-End, mas muitos desenvolvedores a consideram uma estrutura e geralmente é comparada nesse contexto. Além disso, o React foi o primeiro a adotar a arquitetura baseada em componentes que o Angular e o Vue e muitos outros frameworks começaram a adotar posteriormente por conta da facilidade de aplicação. Ainda assim, é importante destacar que o domínio virtual do React torna a manipulação muito mais rápida e é muito fácil de aprender, especialmente graças à sua sintaxe de JSX. React pode ser usado no lado do servidor ou no lado do cliente. Ele foi desenvolvido e mantido pelo Facebook e é usado pelo Facebook e pelo Instagram nos tempos atuais.

Ember: Na prática, Ember foi nomeada a melhor estrutura JavaScript no ano de 2015. Atualmente, a comunidade Ember é enorme e está sempre em contínuo crescimento exponencial, com novas funcionalidades e lançamentos sendo adicionados de forma regular. Além disso, Ember possui a ligação de dados bidirecional que Angular possui e vem com um monte de recursos e componentes que você pode usar fora da caixa. O Ember gira em torno da produtividade do desenvolvedor e tenta maximizá-lo eliminando a necessidade de atividades que desperdiçam tempo ou adotando algumas práticas recomendadas do JS em seu design central.

Angular: O tão conhecido Angular é uma estrutura de frontend especializada na criação de aplicativos avançados de uma única página. É uma estrutura bem complexa e capaz de criar aplicativos completos do lado do cliente (“Front-End”). Os principais contras do Angular são seu tamanho em comparação com outros frameworks e o fato de não ter um SEO amigável por natureza, embora possa ser otimizado para SEO – Search Engine Optimization.

Para Back-End

Laravel: Um dos mais conhecidos, o Laravel é um framework considerado como “Model-View-Controller” que usa como base a linguagem de programação PHP – uma das minhas favoritas por sinal, que é uma das linguagens mais utilizadas atualmente. É relativamente jovem em comparação com outras estruturas nesta lista. Além disso, o Laravel vem nativamente com suporte a API e possui uma quantidade relevante de pacotes que podem estender seu alcance.

Rails: Rails segue a mesma estrutura anterior e que usa Ruby e é uma estrutura bastante popular e muitos desenvolvedores amam essa tecnologia. Rails é usado pelo Airbnb, GitHub, Hulu e Shopify atualmente. Além disso, o Rails é um framework amigável para quem está começando no momento, e embora o fato de haver muita mágica por trás das cortinas nesse framework seja debatido com base em prós e contras, ele ajuda os iniciantes a iniciar o desenvolvimento web com bastante facilidade.

Spring: Assim como os anteriores, Spring é também uma estrutura Model-View-Controller que usa Java, a linguagem popular de todos os tempos. É utilizado por sites como Wix, TicketMaster e BillGuard. Ainda assim, a Spring possui muitos projetos irmãos que aumentam seu desempenho e permitem que você dimensione seus negócios com facilidade.

Contextualizando e concluindo, não tenha receio de definir uma determinada estrutura e começar a trabalhar nessa mesma estrutura. Sem dúvidas, você terá uma ideia de como as coisas são feitas e encontrará muitas semelhanças entre as estruturas, mesmo em linguagens diferentes na mesma categoria. Lembre-se de que as grandes empresas estão sempre migrando e testando coisas novas o tempo todo, por isso não existe um beco sem saída.

E você, o que achou das recomendações acima? Compartilhe! 🙂

Meu nome é Juan, tenho 21 anos, sou empresário, investidor, blogueiro, streamer e podcaster. Com muito orgulho comecei meu primeiro negócio aos 10 anos de idade utilizando uma conexão limitada no Brasil, especificamente numa cidade de interior.